Da cirurgia minimamente invasiva ao implante: entenda como tratar as doenças ginecológicas

Da cirurgia minimamente invasiva ao implante: entenda como tratar as doenças ginecológicas• “Como a maior parte das patologias benignas em ginecologia são hormônio-dependentes, muitas cirurgias podem ser evitas somente com o controle de hormônios”, revela especialista

Não é de hoje que a medicina tem se apropriado dos avanços tecnológicos para proporcionar uma melhor qualidade de vida aos pacientes, a exemplo das cirurgias ginecológicos minimamente invasivas. Esses procedimentos contribuem para aliviar sintomas, atuam no tratamento de doenças e colaboram para promover o bem-estar das mulheres.


A cirurgia ginecológica minimamente invasiva pode ser indicada para mulheres de diferentes faixas etárias, normalmente, em casos de endometriose, adenomiose, incontinência urinária, hiperplasia, que leva ao sangramento uterino anormal, entre outras patologias. Além disso, existem tratamentos que podem impedir o surgimento dessas doenças, a exemplo dos implantes hormonais.


Entre as várias técnicas minimamente invasivas comumente utilizadas na cirurgia ginecológica, estão a Laparoscopia, que consiste em um procedimento em que um laparoscópico, um instrumento fino com uma câmera acopladas, é inserido através de pequenas incisões na região abdominal para visualizar e realizar a cirurgia, a Histeroscopia, técnica que envolve a inserção de um histeroscópio, um aparelho fino com uma câmera acoplada através da vagina até o útero para visualizar e tratar problemas ginecológicos, como pólipos, miomas ou anormalidades do útero.
Os benefícios dessas abordagens minimamente invasivas incluem:


• Menos trauma: como as incisões são menores do que as necessárias em cirurgias convencionais, há menos trauma nos tecidos circundantes.
• Recuperação mais rápida: devido ao menor trauma, as pacientes geralmente sentem menos dor no pós-operatório e, consequentemente, a recuperação ocorre mais rapidamente.
• Menos tempo de internação: em muitos casos, a cirurgia minimamente invasiva pode ser realizada como procedimento ambulatorial ou com apenas um dia de internação.
• Menor risco de complicações: como as incisões são menores e o acesso é mais preciso, há um menor risco de complicações cirúrgicas e uma redução de chances de infecção.
• Melhor estética: as cicatrizes resultantes dos procedimentos são menores, o que não compromete a estética.

Esses benefícios contribuem para uma experiência cirúrgica mais positiva para as pacientes, o que é um fator importante na escolha da abordagem cirúrgica, tanto para médico quanto para pacientes.


Além dessas técnicas, o Dr. Walter Pace, Professor Doutor em Ginecologia, destaca um aspecto importante no tratamento das doenças ginecológicas: “É importante entender que a maior parte das patologias benignas nas mulheres são hormônio-dependentes, especificamente estrógeno-dependentes e que muitas cirurgias podem ser evitadas somente com o controle dos hormônios.


“Nós podemos, numa incidência muito significativa, reduzir ou mitigar a indicação dessas cirurgias, principalmente no caso da endometriose, da miomatose e do sangramento uterino anormal”, revela o médico.

Acesse outros artigos aqui